Mais de 60 artesãos e artesãs de Três Lagoas estiveram na Diretoria de Cultura da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SEMEC), nesta quarta-feira (2), para cadastro e registro de inserção no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab).

Técnicas da Gerência Estadual de Desenvolvimento das Atividades Artesanais de Mato Grosso do Sul, Júlia Campos e Josiane Gaboardi, estiveram em Três Lagoas para a realização desse trabalho de cadastro nacional dos artesãos e artesãs, para posterior emissão ou renovação da respectiva carteirinha de identificação profissional.

Esta ação da Prefeitura de Três Lagoas, por meio de iniciativa da Diretoria de Cultura, contou com o apoio do Governo do Estado, através da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul.

“É um cadastro padronizado, com dados pessoais e informações detalhadas das atividades artesanais que o profissional exerce e qual a principal matéria prima que ele usa no seu respectivo trabalho”, resumiu a técnica Josiane.

“As informações constam na Base de Dados do Artesanato do Brasil, padronizadas há oito anos pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria, Comércio Exterior e Serviços”, completou a técnica da fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul.

Ela informou que, feito o cadastro inicial ou renovação e atualização de informações, a Carteira Nacional de Artesão, carteirinha de identidade funcional, será emitida pelo Sicab e enviada pelos Correios, no prazo máximo de 15 dias, ao respectivo endereço de correspondência, fornecido na inscrição.

LEGALIZAÇÃO E VANTAGENS

Maioria dos artesãos e artesãs que procuraram se cadastrar ou renovar o cadastro manifestou o interesse pela legalização profissional e direitos que passam a existir com a emissão do documento, reconhecido em todo o Brasil.

Entre as vantagens e direitos estão a oportunidade de participar em feiras, exposições, festas e outros eventos que promovem e incentivam o artesanato.

“A carteirinha é também uma prova legal do meu trabalho”, destacou Jurandir Antônio Nunes do Amaral (46). Exercendo seu trabalho há mais de 20 anos como artesão, Jurandir e a esposa Clair de Moraes Arruda aguardavam na fila a vez de renovar o cadastro para emissão de nova carteirinha, já que as deles estavam com data de validade vencida.

“É o nosso sustento, a nossa única renda e gostamos daquilo que fazemos há muitos anos”, falou Jurandir, ostentando algumas amostras do seu trabalho diversificado de licores artesanais, doces, geleia de pimenta, banana frita, colares de sementes e outros.

“Trabalho há 35 anos com artesanato de balas de coco geladas, mas não tenho carteirinha que comprove legalmente o meu trabalho e a minha aptidão”, comentou a três-lagoense Helca Hildebrand Ribeiro (62).

Desde que foi implantada a feira noturna de quarta-feira e, posteriormente, também às segundas-feiras, Helca vende suas conhecidas balas de coco geladas.

“Com a carteirinha de artesanato, vou poder também participar e vender meus produtos na Festa do Folclore, que este ano, promete ser um sucesso”, comentou Helca.

Ao seu lado, a colega feirante, conhecida em Três Lagoas, como a Zelma do “Doce Mel”. É a Zelma Bertalli Afonso (54), que também procurou se legalizar e se inscrever no Sicab. “Eu também vim aqui para legalizar o que faço há muitos anos com artesanato de doces para festas”, informou.

A Festa do Folclore, a que se referiu a artesã, será na próxima semana, no período de 9 a 13 de agosto, no Pátio do Galpão das antigas oficinas da NOB, no Centro.