Alunos do 4º ano da Escola do Sesi de Três Lagoas foram desafiados nas aulas de robótica a construírem uma máquina para coletar o lixo do espaço. Num primeiro momento, os alunos construíram um planetário com o objetivo de simular o movimento da Terra e da Lua em torno do Sol. A situação-problema aconteceu após a montagem, inicialmente com questionamentos sobre o lixo espacial, se pode ser perigoso ou não, e como fariam uma faxina no espaço.

Para a diretora Zuleica Alves Guimarães, a metodologia de trabalho usada nas aulas de robótica é de extrema importância para o desenvolvimento da criatividade. “Os alunos são desafiados a resolverem problemas reais e a pensarem em soluções inusitadas. Isso instiga a curiosidade e o espírito investigativo que são básicos para o conhecimento científico”.

Segundo a professora responsável pela atividade, Andréia Quintiliano Amaral, os alunos não conseguiram visualizar soluções no início, mas após a conversa sobre o tema, conseguiram desenvolver equipamentos voltados à coleta e destruição do lixo. “Mostraram-se preocupados com o meio ambiente e era possível perceber nas falas, na apresentação, que a preocupação era voltada também para no espaço terrestre”.

Os alunos ficaram entusiasmados com o desafio. “Eu fiz um carro que transporta o lixo para o buraco negro, onde ele seria destruído”, contou Bruna Marques Lucas. Já Elias Almeida Leal foi um pouco mais ousado. “Eu pensei num gigante raio desintegrador, para que o lixo não ultrapassasse a barreira da Terra”.

Fonte: FIEMS