O Dia dos Pais deve movimentar R$ 153,2 milhões na economia de Mato Grosso do Sul, um volume de recursos 5% maior que no ano passado. A estimativa é de levantamento de intenção de consumo e de comemoração para a data feita pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio-MS (IPF) e do Sebrae/MS, que foi divulgado nesta terça-feira (1º).

Segundo a pesquisa, dos recursos que a data deve injetar no estado, 51,72% devem vir da compra de presentes, o que representa R$ 79,2 milhões e 48,28%, o equivalente a R$ 73,9 milhões, das comemorações. O levantamento foi feito em 13 municípios, com 2,1 mil entrevistados, entre os dias 13 e 21 de julho.

Dos entrevistados, 50,3% revelaram que vão comprar presentes para o Dia dos Pais. Entre os que responderam que não vão presentear ninguém, a principal justificativa apresentada, 39,3%, foi a de que não comemoram a data.

A pesquisa indicou que a preferência da compra vai recair sobre os artigos de vestuário, com 39,45%, depois pelos calçados, com 13,81% e os perfumes, com 13,03%. A maioria, 39,08%, disse que pretende gastar entre R$ 51 e R$ 100. Outros 19,32%, de R$ 101 a R$ 150 e 18,46%, de R$ 151 a R$ 200.

O levantamento do IPF e Sebrae/MS indica que o valor médio do presente para o Dia dos Pais de 2017 deve chegar a R$ 124, 5% a mais que os R$ 118 gastos no ano passado e, que esse incremento deve ser o grande responsável pelo aumento da movimentação financeira da data neste ano.

Em relação ao local de compra do presente, 79,08% dos entrevistados disseram que serão as lojas do centro da cidade, 5,32% a internet, 4,45% o comércio do bairro e 3,40% os shoppings. A principal forma de pagamento, indicada por 62,99% foi o dinheiro, seguida pelo parcelamento, com 18,46% e o crédito, com 9,06%.

Um total de 73,42% dos participantes da pesquisa disse que fará a compra na semana da data comemorativa e outros 17,95%, 15 dias antes. Antes da aquisição, 69,83% revelaram que vão fazer uma pesquisa de preços e 33,23% indicaram que itens como qualidade, diferencial e design serão os principais fatores a serem levados em consideração na tomada de decisão para a compra. O preço aparece em seguida, com 29,64% e o atendimento com 18,21%.

No que se refere as comemorações, 47,14% dos entrevistados afirmaram que vão participar de festividades pela data. Destes, 56,27% vão gastar com alimentação em casa e 34,56% com bebidas. Para tanto, os gastos para 24,97% devem ficar entre R$ 51 e R$ 100 e, para 24,24% de R$ 151 a R$ 200.

Dos 2,03% que pretendem celebrar a data com um passeio, 33,33% disseram que o gasto deve ficar entre R$ 101 e R$ 200. Já dos 5,57% que pretendem ir a restaurantes, 31,40% indicaram que pretendem utilizar de R$ 51 a R$ 100.

Na avaliação dos dados, a equipe responsável pela pesquisa avalia que essa comemoração mais caseira oferecerá oportunidades de implementação de vendas aos supermercados e aos restaurantes que trabalham com o sistema “delivery”.

Fonte: G1.com.br